quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

34º Capitulo - « Amar...é lutar por um final feliz »

Apenas aquele fino e branco lençol nos cobria os corpos despidos. O silêncio tinha-se apoderado de nós. Olhei o Mario estava distante…não o sentia aqui, junto a mim. Não me olhava. O seu olhar estava preso no teto. Não havia um sorriso para mim, não havia uma mão dele no meu corpo…
Ainda há pouco tínhamos feito amor, sem pressas e com sentimento. Tínhamos matado todas as saudades de ser um do outro e eu tinha visto o quanto o Mario estava presente e contente, mas agora…simplesmente nem me olhava.
Teria acontecido algo no Brasil que ele não me tivesse contado? Sentia-o tão distante…o meu Mario não era assim. Em circunstâncias normais neste momento estávamos a brincar os dois como sempre fazemos.
Finalmente olhou para mim e no momento que me olhou a sua expressão estava assustada.
- Thaís! Porque estás a chorar?
A chorar? Estava eu a chorar? Passei os meus dedos levemente pelos olhos, sim…eu tinha lágrimas nos olhos.
- Mario…aconteceu alguma coisa no Brasil que não me contaste? – eu tinha que perguntar aquilo, sentia-me incapaz de continuar na ignorância.
- Não…porquê? – cara estranha, ele tinha feito uma cara estranha.
- Tu… - tinha medo de perguntar, medo de ouvir uma resposta que não fosse a que eu queria.
- Eu…?   
- Tu traíste-me? – disse-o de uma vez, se calhar demasiado rápido, teria ele percebido? A cara dele dizia tudo.
- Estás doida? – perguntou levantando um pouco a voz – tu tens a pequena noção da pergunta que me acabaste de fazer?
- Tenho! E ainda bem que ouvi um «não» como reposta, fiquei muito mais aliviada, Mario! – levantei-me da cama e vesti o roube que estava ali pousado.
- Thaís! Por favor! – e não foi desta que ouvi: não eu não te traí.
Fui até à minha mala procurando por algo para vestir, estava perto da hora de jantar e hoje o jantar era com maior parte dos convidados do casamento que já tinham chegado. Acabei de escolher a roupa e fui para a casa de banho, precisava de um banho. Precisava de descontrair, de pensar, de pôr todas as ideias no lugar.
- Eu não acredito que trancaste a porta! – ouvi a voz do Mario enquanto a água me escorria pelo corpo.
- Acredita porque é verdade…
- Thaís…anda lá, eu preciso de ti.
- Precisas… - sussurrei para que ele não o ouvisse.

Depressa me despachei, vesti-me, sequei o cabelo e arranjei-me apenas me precisava de calçar. Destranquei a porta saindo da casa de banho o Mario mantinha-se deitado na cama, olhava o teto e só me olhou quando cheguei perto da cama. Sentei-me no fundo desta calçando as minhas sandálias. Peguei na minha mala e preparei-me para sair.
- Se eu fosse a ti…despachava-me, está quase na hora que combinaram para o jantar.
Nem uma única palavra me disse e eu apenas desci indo até ao exterior do hotel onde já estavam algumas pessoas. Encostei-me ao muro e foi o Marco quem veio ter comigo.
- O Mario? – não podia ter feito uma pergunta mais decente? Como: está tudo bem ou que tal a Grécia?
- Está no quarto, pelo menos quando eu saí ele estava lá.
- Não queres ser um bocadinho mais seca?
- Hum…não.
- Olá! – disse a Halle bastante animada chegando perto de nós.
- A Thaís está seca. – disse o Marco rodeando a cintura da Halle.
- Oh, então? Falta aqui o Mario.
- Falta…só se for a ti que falte!
- Aquele momento em que eu saio porque acho que precisam de ter uma conversa de mulheres. – disse o Marco dando um pequeno beijo na bochecha da Halle afastando-se.
- Que se passa princesa? – perguntou  chegando mais perto de mim e passando a sua mão pelo meu rosto.
- Não sei…o Mario está estranho…aquele não é o meu Mario.
- Achas que se passou alguma coisa?
- Não sei Halle, eu já não sei nada. Tenho medo que se tenha passado algo no Brasil. Ele já cedeu uma vez porque não havia de o fazer outra vez?
- Thaís…ambas sabemos que ele não teve culpa do que aconteceu com a Alicia.
- Já tive mais certezas disso.
- Thaís…estás a exagerar!
- Bem! – a minha intenção? Mudar de assunto – casas amanhã! E claro…nem penses que vais passar a noite com o Marco!
- Não…
- Sim! Até me vai fazer bem esta trocazinha, eu vou para o teu quarto e o Marco para o meu.
- Vais abdicar de uma noite com o Mario para dormir comigo? Nós podemos muito bem ficar em quartos diferentes e tu com o Mario.
- Quem me garante que não vais ter com ele de noite?
- Thaís…
- Vai ser assim e…- olhei em redor vendo que o Mario já se encontrava ali – podemos já fazer as trocas, aliás eu tenho o teu vestido de noiva no meu quarto por isso, vamos lá mudar as coisas!


 - Quando é que vêm os teus pais? – perguntou-me a Halle já no fim de termos jantado.
- Amanhã de manhã penso eu.
- Continuas seca…e falar com o Mario?
- Não, isso não vai acontecer. – virei-me para o sítio onde estava o Marco. – Marco?
- Diz – disse chegando perto de mim.
- A chave do teu quarto?
- Está aqui algures - disse enquanto apalpava os seus bolsos das calças – aqui, sim – disse mostrando-me.
Peguei na chave dele e ofereci-lhe a minha.
- Já trocámos as coisas de quarto, tens lá tudo o que precisas.
- Mas…
- Mas nada. Não podes dormir com ela, hoje a Halle é minha. Amanhã passa a ser completamente tua.
- Prontas para a lady’s night? – perguntou a Safira chegando perto de nós com a Noemy.
- Ah! É para isso que querem a troca de quartos? – atirou o Marco fazendo-se de ofendido.
- Não Marco, a sério que não – a Noemy fazia-lhe algumas festas no ombro e fazia cara séria – está tudo bem, vais-te casar amanhã e nós precisamos desta noite só para nós. Queremos ver se pomos juízo na cabeça da Halle e ela te diz não naquela altura.
- Não digas isso nem a brincar, Noemy! – disse o Marco. – vejam lá o que vão pôr na cabeça da princesa.
- Acho que esta noite precisamos de pôr é juízo na cabeça da Thaís. – disse a Halle olhando para mim.
- Concordo – disse o Marco dando-me um leve encontrão – vê lá se percebes de uma vez que aquele a quem tu chamas de namorado só tem olhos para ti.


Foi o bater da porta que me acordou. O sono era imenso e a dor de cabeça também. Levantei-me da cama e fui devagar e de olhos meios abertos até à porta. Abri-a e…oh o Marco. Hoje era o dia do casamento da Halle!
- Põe-te a andar aqui!
- Tão simpática logo pela manhã. – disse o Marco rindo – bom dia. Posso…?
- Não! Vá, sai daqui.
- Mas…Thaís! – disse tentando entrar algo que eu não deixei. – Bom dia princesa!
- Bom dia meu amor. – retribui a Halle. Dei uns passos para trás tendo assim visibilidade para a cama onde a Halle estava deitada a sorrir.
- Pronto, contentes? Sai Marco!
- Espera…- tirou dois envelopes do bolso e entregou-mos para as mãos – o que diz Halle é para a Halle e o que diz Thaís é para ti.
- Muito bem. Dá cá o da Halle e vai-te embora.
- Thaís…sua chata, por mim e por ela. – disse apontando para o interior do quarto. – prometo que não te vais arrepender.
- Dá cá isso – tirei-lhe os envelopes das mãos – muito obrigada e adeus.
- Portem-se bem – chegou perto de mim e deu-me um beijo na bochecha – beijinho princesa. Amo-te – disse um pouco mais alto fazendo com que a Halle ouvisse.
- Beijinho. Também te amo feio.
- Chamou-te feio, é o primeiro passo para te dizer que não à tarde
- Parva! – disse passando a mão pelo meu cabelo despenteando-me.
Ia responder mas algo me impediu. Era o Mario…apareceu atrás do Marco e o tempo parou por alguns minutos. Ainda não era o meu Mario mas tinha uma cara mais animada, aqueles olhos de quem sabe o que quer.
- Bom dia!que voz mais sexy! Ai Thaís, fecha a porta!
- Bom dia e adeus. – disse fechando a porta na cara deles.
Fechei os olhos, respirei fundo, dei uns passos e atirei-me para a cama.
- Oh que lindo! Uma carta.
- Duas! – disse elevando a minha mão, para que ela pudesse ver.
- Hum...e então?
- A que diz Halle é para ti, a que diz Thaís é para mim. Toma. – entreguei-lhe a sua carta. Olhei para o envelope que tinha o meu nome escrito e...eu tinha medo.
- Olha, o Marco é tão querido! – exclamou mostrando-me o bilhete.


É contigo eu quero casar
Nesta tarde tao quente
Não me deixes no altar
Quero ficar contigo eternamente


Abri o envelope, tirando de lá três folhas A4 escritas. Era a letra do Mario desajeitada mas legível.
- Porque é que o Mario não meteu a pequena hipótese de ser mais breve como o Marco?
- Lê mas é isso. Deve estar tão lindo.
- É algo do Mario! Do Mario não se espera algo lindo, Halle...
- Poderá ele te surpreender! – disse como se soubesse precisamente do que falava. Tinha aquele sorriso matreiro no rosto. Aposto que ela sabia algo que eu não. – lê isso, Thaís! E depois deixa-me ler também.
Atirei o envelope para o lado e peguei na primeira folha, só a forma como começava a carta me assustava.


O que ficou por dizer…


O teu cheiro…é qualquer coisa mágica. Houve noites em que me esforcei para conseguir lembrar-me dele e de como quando misturado com o meu dava algo de perfeito.

Nunca gostei que me mexessem no cabelo ou até que me mordessem mas eu aprendi a gostar do teu toque, da tua boca e da forma como reages tanto ao meu toque como à minha boca.
Desde o princípio que te achei uma pessoa de mais…demasiado convencida, demasiado orgulhosa, demasiado bonita e até demasiado sincera mas nada passou do “achar”, na verdade não és convencida, és bastante humilde até. És orgulhosa…mas apenas quanto basta já que eu também o sou. Bonita, sempre o fostes e eu continuo-te a achar demasiado bonita, a tua beleza é algo completo: és linda por dentro e por fora e sincera é uma das tuas maiores qualidades. Dizes sempre o que pensas e não mentes só porque ficaria melhor.
Às vezes pergunto-me como consegues andar na rua segura de ti, sem te importares com o que os outros dizem ou pensam mas…tu és assim e sempre o foste.
Ao início dei-te como garantida…é um erro que maior parte dos homens fazem com as mulheres, não é por mal é apenas porque pensamos que nós somos a vossa sorte e no fim apercebemo-nos que sorte é termos-vos, neste caso sou um sortudo em te ter.
Enganei-me a mim mesmo quando me tentei convencer que não significavas nada para mim…na verdade nunca me quis apaixonar por ti mas aconteceu, que posso eu dizer?
Sabes quando idealizamos algo? O dia de amanhã ou a roupa que vamos usar no nosso casamento? Eu sempre idealizei uma mulher para mim e na verdade…não tens nada a ver com essa tal que eu imaginava. És muito melhor, muita mais natural e espontânea. Não te esperava mas apareceste.

Não quero falar dela, não quero e não quero mas sou obrigado a faze-lo porque preciso de te dizer o quanto vocês são diferentes e porque vejo que entre nós é amor e entre ela e eu era apenas…amizade.
Foste tu quem me fez tremer a primeira vez com um simples toque. Foi a ti que senti pela primeira vez a necessidade de dizer: amo-te porque um «adoro-te» não chegou para descrever o sentimento que sinto por ti.
Ela deitava-se na mesma cama que e eu, tu dormes comigo. Com ela era apenas sexo, contigo é amor. Ela nunca se importou com as minhas fãs enquanto tu às vezes até ciúmes sentes. Com ela não falava todos os dias, contigo sinto-me incompleto se não o fizer.
Acho que percebeste o que quis dizer…

Quando olho para ti e me sorris sinto que daqui a cinquenta anos ainda vamos estar juntos e quando olhar para ti me vais sorrir da mesma forma. E aí vamos viver juntos, vamos ter os nossos filhos e quem sabe já muitos netos. Desejo que os nossos filhos tenham o teu sorriso porque é ele que me faz feliz. Sei que seremos felizes, que quando nos olharmos de manhã me vais sorrir e eu vou dizer que te amo porque nunca me cansarei de o dizer. Seremos o orgulho um do outro. Vamos relembrar o nosso primeiro beijo, a nossa primeira desilusão. Vamos recordar todas as nossas discussões, todos os pedidos de desculpas e as vezes que desistir nos pareceu melhor que lutar e que depois…depois que o tempo nos leve mas que deixe o nosso amor intacto. Que o deixe nas memórias dos nossos filhos, na fotografia do nosso casamento ou nas cartas que vamos escrever quando estivermos longe um do outro. Quero acima de tudo que quando não estivermos cá alguém nos relembre com o sorriso na cara e diga: eles amavam-se…tal e qual como eram.
Mas sabes o que mais desejo? Que quando o tempo te levar me leve a mim também…porque sem ti serei incapaz de viver, sentir-me-ei sufocado todas as manhãs por não te ter ao meu lado, e sofrerei ainda mais quando te quiser ver e só as fotografias me puderem satisfazer tal desejo.

Podia aqui pôr a hipótese de não ser eu a estar na tua cama daqui a cinquenta anos…nesse caso o homem que acordasse ao teu lado seria o mais sortudo do mundo. Poder ver-te todas as manhãs, poder receber os teus beijos, os teus abraços, poder ter-te é uma sorte, poder ter uma mulher tão completa como tu…mas eu não quero pôr essa hipótese, dói demasiado pensar que o meu futuro não é ao teu lado. Somos nós que construímos o nosso futuro, certo? E eu quero construir o meu ao teu lado.

Peço-te desculpa por todas as vezes que te magoei ou não atendi aos teus pedidos e se o fiz não foi por mal, foi apenas porque não era um dia bom.
Maior parte dos dias acordo com uma vontade enorme de te beijar, de te sentir…porque enquanto durmo isso não acontece e mesmo que adormeça contigo junto a mim, de manhã tenho e terei sempre saudades tuas.
Não sou romântico de natureza mas contigo tenho necessidade de o ser, não sou de demonstrar o que sinto mas tu és demasiado especial para não te dizer o quanto te amo.

Aprendi aos poucos o que é amar e aprendi-o contigo. Amar é respeitar, aceitar as imperfeições do outro, emocionar-se com pequenas coisas do dia-a-dia, é admirar a pessoa que temos junto a nós tal e qual como ela é, sentir-se completo com a tal pessoa, é satisfazer as necessidades do outro, é sorrir, chorar, cuidar, cair e levantar. Amar é…lutar por um final feliz.
Amar é fazer o outro rir quando está a chorar e é rir com o outro quando ri, e rir juntos até chorar. Amar é fazer as maiores loucuras do mundo só para ver o outro sorrir, nem que seja um pequeno sorriso.
E é por isso que sei e digo com todas as letras que te amo.

Traição é algo que eu nunca quero cometer porque aprendi com o tempo que quem ama não trai. Seja qual for o motivo…não se magoa quem ama, é algo impensável.

É contigo que eu quero viver os melhores e os piores momentos da minha vida. É a ti que eu quero amar até a vida me levar daqui.

Não sei o que chamar a isto…se carta de amor ou não. Prefiro-lhe chamar a carta da verdade.
Se tinhas dúvidas ou inseguranças espero que aqui tas tenha tirado todas.

 Obrigada por seres quem és, obrigada sobretudo por me fazeres feliz…porque eu sou feliz. Nunca fui tão feliz como sou ao teu lado.

Desculpa pelas vezes que não fui o teu Mario, desculpa pelas palavras mais bruscas nos momentos de tensão ou pela falta delas nos momentos de silêncio.


Amo-te Thaís,

Mario



Não tinha reação para aquilo que lia. As lágrimas escorriam pela face à medida que lia cada parágrafo. Todas aquelas palavras me surpreendiam, pela positiva claro, como estou eu a viver um amor tão sincero? Como posso eu ser amada pelo Mario de tal forma? Como consegue ele amar-me desta maneira?
Não conhecia este lado do Mario, não estas esperanças para o futuro. Esta carta deu-me a conhecer um homem novo. Como eu amo o Mario e o quanto eu desejo que ele seja o pai dos meus filhos, sim filhos...eu quero-os ter e é com ele, com ele ao meu lado é que quero ser feliz e construir uma família
Sou feliz...disso não há duvidas. Amo e sou amada.


- Isto não me serve! – a Halle barafustava enquanto a Safira e a Noemy a ajudavam a vestir.
- A culpa é do teu bebé! – disse, ficando depois com os olhos das duas raparigas postos em mim – elas não sabiam? – a Halle abanou com a cabeça em sinal negativo – desculpa a tua Thaís – pedi.
- Estás grávida? – a Noemy estava perplexa.
- Parece que si. – respondeu a Halle – vamos contar a todos hoje à noite. Ai estou tão feliz! – a Halle sorriu e deu um saltinho fazendo-nos rir.
- Não estás nervosa?
- Não! – respondeu – estou feliz, e nada nervosa. Está mais nervosa a minha madrinha, não é Thaís? – deu-me um encontrão.
- Eu não estou nervosa – respondi. A Halle já estava pronta e olhei-a com um sorriso totalmente babado. Estava tão linda, o vestido que lhe assentava otimamente, os seus cabelos encaracolados, que estavam hoje bem mais «domados», davam-lhe um pouco abaixo dos ombros.




- Estás tão linda, Halle – aproximei-me dela e coloquei as minhas mãos no seu rosto – já te vais casar, oh meu Deus!
- Não! Parou! Nada de me fazer chorar, olha a minha maquilhagem.
- Está bem, está bem – assenti com a cabeça – eu vou-me vestir.
- E nós também – falou a Noemy saindo do quarto juntamente com a Safira.
Comecei a vestir-me e fui em direção à Halle para ela me apertar o vestido. No fim olhei-me ao espelho e até me agradou.



- Estás muito bonita, o Mario vai adorar.
- Nem te atrevas!
- Devias falar com ele.
- Vou tentar pôr o orgulho de lado mas por enquanto é complicado.
- Estás proibida de eu me casar e estares chateada com ele. Tens ora – olhou para o relógio para depois me olhar séria – 2 horas para fazeres as pazes com ele.
Bateram à porta e por muito que não me apetece-se ir abrir lá fui. Abri a porta e deparei-me com o Mario. Agarrou-me a mão e fez com que eu entrasse no quarto, fechando em seguida a porta.
- Vais-me ouvir!
- E se eu não quiser?
- Vais-me ouvir à mesma! Porque eu amo-te, caramba! Percebe isso.
- Oh – olhámos os dois para a Halle que sorria a olhar-nos – não se incomodem comigo…continuem.
- Estás linda Halle! – comentou o Mario.
- Obrigada, Mario. E eu vou à varanda ver se…está sol.
- Espera, fica aqui. – pedi – e não saias daqui, por favor. O Marco não te pode ver!
- Eu fico – garantiu ela.
Peguei na mão do Mario e dirigi-me para o nosso quarto. O Mario abriu a porta e entrámos os dois.
- Ok – comecei – desculpa se tenho sido insuportável. E tenho andado cheia de dúvidas mas…fogo, Mario! Tu agora és o menino de ouro. Não imaginas o quanto eu estou feliz de teres ganho o mundial, de teres marcado aquele golo e…tu devias ser recebido pela tua namorada bem e não como eu te recebi, desculpa. Aquela carta foi a melhor coisa que li até hoje. Desculpa.
- Tudo bem – suspirou colocando as suas mãos na minha face – eu também estava distante ontem à noite mas não foi por mal. Isto tudo baralha-me e tenho medo que me suba à cabeça e desculpa por isso. – juntou os seus lábios aos meus num beijo calmo – aquela carta foi a única maneira que arranjei para te explicar este meu sentimento por ti. É algo tão intenso que até me assusta.
- Não temos que ter medo – agarrei as suas mãos e olhei-o enquanto sorria – eu andava insegura mas podes ter a certeza que me tiraste todas as inseguranças. Obrigada Mario, obrigada de verdade por teres entrado na minha vida.
- Eu é que agradeço. Não imaginas como és importante.
Trocámos mais alguns beijos apaixonados. Tinha ainda tantas saudades dele.
Corri em direção ao quarto da Halle para garantir que tudo estava bem. A Noemy e a Safira já estavam junto da Halle por isso voltei para o nosso quarto com intensão de tornar o dia da Halle mais bonito ainda.


(Halle)

- Está tudo pronto! – avisou a Thaís entrando no quarto – estás preparada?
- Sim, sim. – falei nervosa.
Sem dúvida este iria ser o dia mais importante da minha vida. Entregar-me ao Marco por completo. Ser mulher dele para toda a eternidade.
- Halle…?
- Sim.
- Não acham que é…repentino?
- Oh Thaís. Eu também disse isso ao Marco e sabes o que ele respondeu? – abanou a cabeça negativamente e prossegui – ele disse que já está comigo há tempo suficiente para saber que é a mim que quer para sempre – sentei-me com cuidado na cama e ela fez o mesmo – muitas das pessoas podem achar repentino mas elas não interessam nem um pouco. Nós temos certezas de que queremos ficar juntos. Só tu, o Mario e os nossos pais é que sabem do bebé e quando nos apercebemos que eles nos apoiavam ficámos ainda mais com mais certezas. Tu não fazes ideia de como esta lesão do Marco nos veio juntar. De como nos veio dar mais certezas. É tudo tão mágico.
- Como é que ele te pediu em casamento?
- Tínhamos chegado aqui há uns dias…estávamos na praia…


- Marco! Para de me atirar areia para cima!
- Não me estás a ligar nenhuma! – atirou atirando mais um pouco de areia para a minha barriga.
- Estou cansada.
- Oh Halle…?
- O quê?
- Nada…
Olhei-o séria e voltei a fechar os olhos e a limpar a areia que já tinha amontoada na minha barriga.
- Oh Halle?
- O quê?
- Nada.
Olhei-o novamente, só podia estar a brincar comigo mas não via qualquer tipo de sorriso na sua cara.
- Oh Halle?
- Oh Marco tu já me estás…
- Queres casar comigo? – interrompeu-me o raciocínio e fiquei a olhá-lo baralhada.
- O quê?
- Perguntei-te se queres casar comigo.
- Não achas que as pessoas vão pensar que…
- Eu quero lá saber o que as pessoas dizem! Eu quero casar contigo. Tu tens-me apoiado tanto e eu tenho percebido cada vez mais que é contigo que quero ficar. É contigo que quero ser feliz para sempre. Casas comigo?
- Claro que caso contigo. – respondi, sentindo em seguida os seus lábios nos meus.

- E como soubeste que estavas grávida? – perguntou logo de seguida.
- Eu sou regular e reparei que já estava com um atraso valente. Primeiro não liguei muito podia ser do stress de todos os problemas da lesão dele mas depois soube que não e fiquei verdadeiramente feliz com a notícia.

- Marco…tu queres ter filhos, não queres?
- Eu sabia! – atirou todo contente. Fiquei a olhá-lo petrificada sem perceber aquela reação – estás grávida não estás?
- Como é que tu sabes?
- Eu notei. Estás chata e andas um bocadinho enjoada de mais, ah e…encontrei o teste numa gaveta da casa de banho.
Comecei a rir-me com a cara que fazia. Chegou perto de mim e agarrou-me pela cintura fazendo-me rodopiar depois.
- Estás feliz? – perguntou beijando-me depois – é que eu estou mesmo feliz! Isto sempre foi um sonho e agora vai-se tornar realidade.
- Estou Marco, estou mesmo feliz. Sei que isto vai mudar muito a nossa vida e que é uma responsabilidade enorme mas também sei que estamos preparados para isto. Temos uma vida estável, temos os dois emprego e…estamos mais apaixonados que nunca. Além disso vamos casar!

- Tenho muito orgulho em ti, Halle – a Thaís abraçou-me e deu-me um leve beijo na bochecha.
- Estás pronta? – o Mario entrou de repente no quarto e fez aquela pergunta que me deixou um pouco mais nervosa.
- Estou, acho que estou.
- O Marco pensa que o vais deixar no altar, não vais pois não?
- Estás parvo! – atirei, vendo depois o sorriso na cara da Thaís e do Mario – vão lá sentar-se que eu já desço.
- Então nós vamos – anunciou a Thaís – respira fundo e boa sorte! – cada um deles me eu um beijo na testa para saírem depois.
Respirei fundo tal como a Thaís sugeriu. Não demorou muito até que o meu pai chegasse e se senta-se junto a mim.
Fechei os olhos e pensei neste passo que ia dar. Tinha a certeza que não me iria arrepender. Estava certa que era isto que queria para a minha vida. Casar e ter filhos com um homem tão maravilhoso como o Marco…um sonho que se estava prestes a realizar.


(Thaís)

- Já cá está toda a gente. – comentei assim que chegámos ao lugar onde se ia dar o enlace.
As cadeiras estavam todas ocupadas e o Marco encontrava-se no topo nervoso. A decoração estava fantástica.




- E agora nós fingimos que somos os noivos!
O Mario começou a cantarolar a típica canção que se toca na entrada da noiva. Toda a gente começou a olhar para nós e maior parte riam-se.
- Se querem um casamento para vocês, arranjem-no! Agora não se apoderem do meu! – brincou o Marco.
Sentámo-nos à frente um ao lado do outro. Olhei para trás onde se encontravam os meus pais e os do Mario junto com os irmãos dele.
- Olá, olá! – saudei animada.
Todos retribuíram a saudação. Surpreendi-me quando ao lado do Fabian estava uma rapariga morena, bonita até.
- Quem é aquela? – perguntei ao Mario.
- Então é a namorada do Fabian.
- E nem me apresentas a cunhada nem nada…
Olhou-me com uma cara estranha para depois se virar para trás.
- Kristina, esta é a Thaís a minha namorada. Thaís, é a Kristina a namorada do meu irmão.
- Muito prazer em conhecer-te – disse ela sorrindo-me.
- Igualmente. Afinal o feio do teu irmão ainda tem bom gosto! – falei fazendo com que todos se rissem menos o Fabian.
- Nem no dia do casamento da Halle, tu te comportas como deve ser.
- Já me está a tratar mal! Eu disse-te Mario, ele não gosta de mim!
- Então pois não. Só agora é que sabes disso?
- Já desconfiava há algum tempo. Desde que ele comeu o Otto, que eu percebi que ele não gostava de mim.
- Eu não comi o Otto! – defendeu-se.
- Comeste sim!
- O Otto morreu? – perguntou a Astrid.
- A Thaís deitou-lhe comida a mais! – atirou o Mario.
- Ele estava magrinho – falei, protegendo-me daquelas acusações – mas agora temos a Meg!
- Que me deste para eu cuidar, não foi? – perguntou a minha mãe.
- Mãe, eu tive que ir para o Brasil! O Mario precisava lá de mim, sabes bem.
- A próxima semana a Meg vai para tua casa porque nós vamos de férias – informou o Mario, virando-se para a Astrid.
- É melhor não – disse o Félix – o cão depois come-a!
- Não come nada! Os cães não comem tartarugas.
- Considerem a Meg como a vossa primeira neta.
- Preferia netos a sério – disse a Astrid.
- Concordo! – exclamou a minha mãe.
- Pede aí ao Fabian. E a Minna já está perto de ter uma! A Cíntia está quase a ter o bebé.
- Pois é! – falei animada – quando é que é mesmo?
- No fim do mês. – informou-nos com um sorriso.
- Vem aí a Halle…está tão linda! – disse o Félix.
Levantámo-nos e ficámos todos a olhá-la. Estava uma autêntica princesa e caminhava com um sorriso na cara.
O Mario entrelaçou a sua mão na minha e deixei a minha cabeça cair sobre o seu ombro.
A cerimónia decorreu como esperado. Os sorrisos que ambos iam trocando apaixonavam qualquer um.
Os votos, as trocas das alianças foram momentos fantásticos e que maravilharam toda a gente que assistia aquele casamento.
- Acho que agora, há alguém que tem umas palavras a dizer – o padre que orientava a cerimónia olhou para nós e percebemos que era a hora de nós entrarmos em ação.
Subimos até junto deles os dois e ficamos virados para toda a gente.
- Mario, o papel? – perguntei levando a que algumas das pessoas se rissem.
- Está algures nos bolsos – procurava o papel e eu olhava-o assustada. Ele não podia ter perdido o papel! – encontrei! – anunciou.
- Marco, eles vão estragar o nosso casamento! Faz alguma coisa! – disse a Halle em voz baixa.
- Halle! Achas que nós algum dia fazíamos isso? – desdobrei o papel e o Mario segurou nele – bem vamos começar. Este é um dia importante, sem dúvida que é.
- Não chores! – disse o Mario.
Olhei-o como que repreendendo-o e prossegui depois:
- Conhecemo-nos há oito meses. Desde o dia trinta de outubro do ano passado que a nossa vida mudou completamente. Eu conheci o Mario e o Marco.
- E eu a Thaís e a Halle – continuou o Mario – além de a minha vida mudar completamente, também a vossa mudou. Ultrapassaram vários obstáculos juntos até hoje e tenho a certeza que mais impedimentos vos vão aparecer nesta vida, agora de casados.
- Mas vocês vão conseguir superar tudo com o vosso amor. Vocês são um exemplo de casal. São calmos, sabem resolver as coisas pacificamente e o vosso amor está acima de tudo.
- O Marco perdeu o mundial mas não foi por isso que se separaram. Não foi por isso que a vossa relação desfortaleceu…
- Não foi por isso que deixaram de ser quem são – continuei. Via a Halle com um sorriso enorme tal como o Marco – Como alguém me disse hoje: Amar…é lutar por um final feliz – olhei para o Mario que beijou a testa e me sorriu – e eu tenho a certeza que vocês vão lutar pelo vosso.
- Oh pipoca, não chores – o Mario colocou o seu braço em torno dos meus ombros e abraçou-me.
- Emociono-me facilmente, estou grávida. Queres o quê? – olhei para trás onde se encontrava o padre – não há problema em estar grávida e não estar casada, pois não senhor padre? 



_____________________________________________________


Bom dia!
E esta é a minha maneira de celebrar o primeiro dia do ano! Este capitulo foi sem dúvida alguma muito mais fácil de escrever que o anterior!
Espero que cada uma de vocês tenha um ano maravilhoso e que desfrutem dele.
Bom Ano e espero que tenha sido uma boa leitura.
Aguardo os vossos comentários.
Beijinhos,
Mahina 

4 comentários:

  1. Olá

    Adorei *_* Um feliz ano de 2015 para ti :)


    Beijinhos

    A.M

    ResponderEliminar
  2. Hello de novo :)
    Já me actualizei nos capítulos :P
    Aí que casamento lindo *.*
    Quero saber a resposta do padre o mais depressa possível sff :)
    bj :*

    ResponderEliminar
  3. Olá!
    Eu estou desatualizada devido aos meus exames. Mas há umas semanas eu não estava. Estava até bem atualizada. Tão bem que preparei um comentário mas depois não cheguei a postar. Ficou apenas guardado no telemóvel e eu prefiro postá lo agora a eliminá lo xD portanto ele fica aqui mesmo que não tenha nexo nenhum agora:

    "Olá!
    Cheguei cheguei cheguei!!!! Desculpa a demora!
    Mas pronto deixei acumular. Sabes bem que eu estava um bocadinho enervada/desiludida/furiosa com a Thais! Esperava que ela tivesse logo percebido que o Mario seria incapaz de a trair. E a Alicia podia realmente ir da ponte abaixo! E quando ela consumiu droga estava capaz de entrar dentro da história e de lhe passar um raspanete. Thais Gotze, droga? Até parece que não sabes o que isso faz!
    Mas fiquei toda derretida quando eles caíram em tentação mesmo que a Thais não soubesse a verdade!
    E no fim até se acertaram! Gostei gostei!
    E estou atualizada! Venha o próximo!!

    Beso
    Ana Santos"

    ResponderEliminar
  4. Olá!
    Cheguei! Duas vezes a comentar o mesmo capítulo. Só eu!
    Este cap deixou-me no chão! O Mario é um romântico, cheio de sentimentos e coisas assim! (dá para ver como eu sou receptiva ao amor!).
    E um casamento relâmpago! Eu até gosto disso! Mas que se livrem de fazer isso comigo porque eu gosto dos meses antes para saborear tudo.
    Eu guardei o capitulo para le-lo offline por isso não vejo as imagens e só em casa poderei ver os vestidos e tudo isso!
    Mas no fim quem é que disse que estava grávida? A Halle certo? Acho que o padre não vai achar piada nenhuma a eles terem cometido o pecado carnal muahahah
    Espero o próximo!

    Beso
    Ana Santos

    ResponderEliminar