terça-feira, 22 de julho de 2014

24º Capitulo - « eu posso dormir convosco? »

Sentia-me totalmente estranha em casa do Mario. Casa estranha e continuava a ser cama estranha. Ele tinha-me dito que vinha almoçar comigo por isso vesti-me e esperei por ele na sala.
Vi-a um filme quando ouvi a porta abrir-se. Era o Mario com…o David Alaba.
- Porque é que trouxeste essa coisa atrás? – juro que tento ser menos má com as pessoas mas aquele rapaz irrita-me profundamente.
- Thaís…sempre tão simpática a tua amiga Mario!
- Namorada para tua informação!
- Vocês dão-se tão bem – o Mario tomou a palavra e sentou-se junto a mim beijando-me depois – estás bem?
- Sim – respondi colocando as minhas pernas por cima das suas.
- Eu já venho – pegou nas minhas pernas e levantou-as levantando-se do sofá e saindo.
- Thaís… - pronto, deixou-me sozinha e eu agora tenho que levar com este. Sentou-se junto a mim, no lugar onde o Mario estava há pouco.
- O quê?
- Não sejas bruta!
- O que é que queres? – perguntei num tom mais calmo e doce do que antes.
- Devíamo-nos dar bem.
- Eu não me dou mal com ninguém.
- É assim, tu és a namorada ali do mano…
- Mario, o nome dele é Mario. É mano do Felix, do Fabian e por vezes do Marco.
- Não sejas bruta! Eu nunca te tratei mal, podíamos ser amigos.
- Porque é que havíamos de ser amigos?
- Thaís! – era a voz do Mario, ele estava no quarto provavelmente – não sejas desagradável com ele! Tu nunca és assim com ninguém! mas eu estava a gostar de ser assim com ele!
- Então…Thaís porque é que estás a ser assim comigo? Tens medo que eu te roube o Mario?
- É…sou ciumenta e possessiva.
- Relaxa – deu-me duas leves palmadas no ombro – eu não te roubo o…Mario.
- Fico mais descansada e agora bem que podias ir embora e deixar-nos a sós…não sei é só uma ideia.
O Mario apareceu novamente na sala e mandou afastar o David para depois se sentar junto a mim.
- Então? – colocou o seu braço em volta dos meus ombros. – a Thaís foi má contigo?
- Mario…eu não sou má com ninguém.
- Foste comigo. austríaco estupido, que agora faz queixas ao Mario.
O Mario olhou-me como se perguntando se era verdade. Olhei para ele séria para depois desviar o olhar para o lado.
- És muito bruta, tu! – atirou o Mario colocando a sua mão na minha cintura.
- Sabes bem que só sou bruta na cama.Eu não acredito que acabaste de dizer isto Thaís mas bem tenho que o mandar embora de alguma maneira. – no chão… - cheguei mais perto do Mario mordendo-lhe ligeiramente o lábio inferior – e no sofá também sei ser bruta.
- Ah! – disse o David olhando para nós, estava escandalizado. É um bom começo. – vocês são tarados!
- Não, nada disso – neguei – apenas demonstramos o nosso amor…
- Podiam demonstrá-lo quando estão a sós.
- Ora aí está algo em que concordamos os dois – levantei-me e coloquei-me em cima das pernas do Mario – nós também gostamos mais de demonstrar a sós mas… - o Mario riu-se baixo, assim só eu o pude ouvir – há coisas que não podem esperar sabes? – era a minha oportunidade para dar o toque final. Virei-me de frente para o Mario, ele sorriu, decerto sabia o que eu ia fazer. Fiz com que as mãos dele fossem para o meu rabo, e em vagarosamente ataquei o seu pescoço com pequenas mordidelas – e sabes…?
- Eu…acho que me vou embora – disse levantando-se indo até à porta – adeus meninos.
- Adeus. – disse o Mario antes de se começar a rir – mais um bocadinho e tiravas-me as calças! – disse depois de a porta se fechar.
- Olha que…para a próxima faço isso. – saí de cima do Mario e compus a minha camisola que já ia mais acima que o normal – vamos almoçar?




Depois de passar três noites com o Mario voltar a dormir sozinha tornou-se estranho.
Estava em casa da Halle, como sempre, mas não estava a dormir com ela e tive que me acomodar no outro quarto. Eu compreendo…claro que compreendo, ela está a esta hora a trocar miminhos com o Marco e eu aqui sozinha abandonada a precisar de amor. Não exageres Thaís! Estás apenas sozinha nesta cama grande e espaçosa. A precisar que o Mario te coloque uma das suas mãos no teu rabo e que encoste bem o seu corpo ao teu, aí conseguirias dormir não era?
Porque não ir dormir com eles? São meus amigos e de certeza que não se vão importar comigo lá no meio deles…se calhar até vão mas aqui sozinha é que não.
Levantei-me da cama e peguei na minha almofada caminhando até ao quarto da Halle. A porta estava encostada e bati levemente nela.
- Sim Thaís? – era a voz da Halle, eles estavam acordados às duas da manhã, impressionante. – entra. – disse-me segundos depois.
Abri e aporta e dei uns passos em frente olhando para eles.
- Como é que sabias que era eu?
- Thaís! Não vive mais ninguém nesta casa.
- Ah, pois é. Tens razão sim. – o sono começava a afetar-me verdadeiramente.
- E…então? – perguntou a Halle esperando que eu lhes desse uma razão para estar aqui a estas horas.
- É assim… - dei uns passos para a frente sentando-me no fundo da cama – eu não consigo dormir, eu sinto-me sozinha e…eu posso dormir convosco?
A Halle disse um ‘’oh’’ ternurento e sorriu enquanto o Marco se riu.
- Não te rias! – a Halle bateu-lhe no braço chamando-o a atenção – ela é tão fofa, ela vai dormir connosco.
- Deixam? – perguntei sorrindo.
- Claro que deixamos. Anda cá. – disse fazendo-me sinal para eu ir para junto dela. – ficas no meio.
- Não! – disse o Marco.
- Sim! – disse a Halle.
- Eu posso ficar do lado da Halle. Eu não quero estragar-vos a cena.
- O Marco está…
- Com falta – completei levando o Marco a olhar sério para mim. – eu sei o que isso é – disse fazendo a minha mão passar pelo seu ombro – mas eu não tenho disso.
- Pudera! Tu e o Mario não devem ter passado os dias a brincar com as barbies não! – disse o Marco. – ressonas?
- Não…
- Vamos avisar o Mario disto e perguntar-lhe se ressonas.
- Ele não te vai atender. – disse a Halle.
- Vai…se for o Marco a ligar, ele atende só não te garanto que o trate bem.
Deitei-me no meio deles enquanto o Marco iniciava chamada para o Mario. Pôs em alta voz e tocou umas cinco vezes até o Mario atender.
- O que é que tu queres? – voz de sono, mau humor e…é o Mario.
- Calma… - começou o Marco – a tua namorada ressona?
- A Thaís?
- Tens outra, oh? – foi impossível não reagir.
- Thaís? Ai…mas...
- A Thaís sente a tua falta e veio dormir connosco. – disse a Halle.
- Sentes, princesa?
- Não!
- Sente sim – disse o Marco – ela não quer é admitir. Se não sentisse não vinha dormir connosco.
- Cuidem bem dela.
- Que querido – comentou a Halle – ela dorme connosco assim toda quentinha e amada.
- Ai de vocês que façam figuras triste à frente da minha menina!
- Eu não me chamo Mario nem a Halle se chama Thaís.
- Ok, eles estão a insinuar que nós somos tarados sexuais e que só pensamos em sexo, Mario.
- O que é mentira!
- Ou não… - disse a Halle.
- Tenho sono! – barafustei – quero dormir!
- Vai dormir para a tua cama! – atirou o Marco.
- Ai, olha se é assim que pensas conquistar aqui a irmã da tua namorada, estás em mau caminho! – peguei na minha almofada e bati ao Marco com ela – e que eu saiba esta cama também não te pertence! Por isso cala-te!
- Essa noite vai correr muito bem vai… - disse o Mario ainda em linha.
- Amorzinho e aí a tua amante como é que vai? – perguntei.
- Vai bem, vai bem. Trabalha bem com as mãos! – disse o Mario entrando na brincadeira.
- Melhor de que eu?
- Não Thaís isso é impossível, as tuas mãos são de ouro.
Olhei para o Marco e a Halle que me olhavam escandalizados.
- Ei! Meu Deus, depois os tarados somos nós?
- É! Vocês estão a falar de quê? – perguntou o Marco.
- Massagens. Costas, pernas depende…a Thaís tem boas mãos.
- Nisso concordo! – disse a Halle – tem mãos leves.
- Para o que quer!
- Olha todas as chapadas que levaste até hoje foram merecidas.
- Que aposto que não foi nenhuma…- disse a Halle.
- Pois não – assegurei – eu nunca bati no Mario, sou uma menina bem comportada.
- Sim, és sim. Tirando a cena que fizeste à frente do Alaba, és uma boa menina.
Foi impossível não rir ao lembrar-me.
- O que é que fizeste Thaís Baden? – perguntou a Halle a olhar-me séria.
- A Thaís? Ela apenas saltou para cima de mim à frente dele.
- E depois diz que não tem falta! – atirou o Marco.
- Tu cala-te! – ordenei dando-lhe um encontrão – hoje estás chato! Estás naqueles dias, é?
- Eu não tenho isso.
- Já tive mais certezas disso.
O Marco deu-me com uma das almofadas que estava no chão. E rapidamente me agarrei-me à Halle para não levar mais. Era impossível não rir com as figuras que fazíamos ali.
- Já se mataram? – perguntou o Mario.
- Amorzinho o teu namorado agrediu-me. – escusado será dizer que a Halle se começou a rir tal e qual como o Marco.
- Isso vai ser animado aí.
- Aí também pode ser, Mario! Liga ao teu amigo David Alaba e fazes aí a festa.
- O que é que tens contra o David, oh estúpida? – o Marco trata-me sempre tão bem.
- Marco! Vais dormir para o tapete! Não tratas assim a minha Thaís. – disse a Halle agarrando-me nos seus braços.
- Minha se faz favor! – isto a ainda me faz confusão, sou dele.
- Vieste em último, olha agora! – atirou a Halle – primeiro é minha e depois tua.
- Continuando, estupido… - continuei agarrada à Halle para garantir que não levava porrada do Marco – eu não tenho nada contra ele, ele é que tem contra mim!
- Deixei lá a conversa, daqui a pouco o Mario está a ressonar.
- Eu não faço disso.
- Pois não. Isso é verdade por acaso. Eu vou dormir – disse largando-me da Halle e agarrando-me à minha almofada.
- Também gosto muito de ti ouvi o Mario.
- Eu não! – atirei.
- É do sono, não lhe ligues. – disse a Halle – adeus Mario, dorme bem. Nós adoramos-te todos, a Thaís um bocadinho mais.
Acabaram por desligar a chamada e por desligar também os candeeiros ficando tudo às escuras. Estava virada de frente para a Halle e a minha mão estava junta com a sua como sempre.
- Thaís? – disse o Marco abanando-me.
- O que é que tu queres? – disse ainda virada para a Halle.
- Dá um beijinho à Halle por mim.
- Dás amanhã, tu.
- Mas eu quero hoje.
- Mas eu não.
- Estúpida!
- Anormal!
A Halle ria-se assistindo aquilo tudo. Peguei na mão da Halle e estiquei o seu braço passando por cima de mim.
- Dá beijinho aí na mão da princesa – disse-lhe.
Esperava que me insulta-se (novamente) e me mandasse dar uma volta mas nada disso aconteceu. Beijou a mão da Halle e disse:
- Amo-te minha flor.
- Eu também te amo e muito meu loiro.
- E burro. – pronto e agora levei dos dois, um empurrão do Marco e outro da Halle – desculpem não devia ter interrompido este vosso momento românticos. Gosto muito de vocês, sim?
- Nós também gostamos muito de ti, Thaís. – disse o Marco.



Acordei de manhã e sensação que tive de imediato foi de felicidade. Nem acreditava que tinha mesmo dormido com eles. Estiquei um dos meus braços batendo na cara do Marco.
- Estúpida! – atirou o Marco.
- Ui, começamos já bem de manhã. – disse a Halle.
- Ela faz de propósito para me enervar, pensa que por agora ser namorada do Mario que já tem o direito de me tratar mal!
Levantei-me da cama e coloquei-me de joelhos de frente para eles.
- Bom dia! – disse tentando começar bem o dia. Cheguei perto da Halle e dei-lhe um beijo na testa – vou-me preparar que tenho umas aulas hoje – cheguei perto do Marco e dei-lhe uma chapada na testa.
- Vês? Tu vês? Aquela miúda é uma peste!
- E tem 21 anos, imagina quando tinha 10… - disse a Halle rindo-se.
- Adeus – disse-lhes saindo do quarto.



- Os meninos que vão para Munique em estágio – agora sim comecei a ligar ao que a coordenadora dizia – as vossas propostas estão aceites. Thaís, Luke e Liam no centro de reabilitação e a Alicia e a Luna conseguiram lá o lugar no centro de treinos do Bayern de Munique. Deu trabalho mas conseguimos pôr-vos lá, aproveitem!
Olha agora que penso nisso ter lá estagiarias a rondar os jogadores do Bayern de Munique e juntando o facto de o Mario ser um deles…isto se calhar não me agrada.
- … certo Thaís? – foi apenas o que ouvi, só ao ouvir o meu nome prestei atenção e não tinha apanhado nada.
- Diga.
- Estás na lua rapariga! – disse rindo – estava a dizer que vocês ficam os cinco no mesmo apartamento no centro de Munique para conseguirem estar perto tanto do centro de treinos como do centro de reabilitação.
- E agora já não há preocupação de raparigas para um lado e rapazes para o outro? – perguntou o Liam.
- Vocês não têm 12 anos! – disse a coordenadora rindo-se.
- Pois não mas olhe que nós ainda nos podemos divertir! – falou o Luke, um dos rapazes que ia fazer estágio connosco. Olhou para trás e colocou o seu cotovelo em cima da mesa onde eu e a Alicia estávamos sentadas.
- Isso é com vocês! – falou por fim saindo daquela sala.
Luke continuava a olhar para mim e a Alicia.
- Vamo-nos conhecer melhor depois e tal, não é? – perguntou o Luke.
- Oh meu amigo, daqui não levas nada – falou a Alicia com um tom rude.
- Thaís, não é? – perguntou virando-se para mim.
- Isso não vai acontecer, acredita em mim… - sou namorada do Mario Götze e não sei se lhe vai agradar eu estar dois meses com dois rapazes na mesma casa que eu.
- Vamos ter tempo para nos conhecermos e tenho a certeza que nos daremos bem! – virou-se novamente para a frente.
- Há com cada um – comentou a Alicia.
- Só temos que os ‘’conhecer’’ em Abril, temos muito tempo até lá.
- Um mês Thaís, um mês e estamos em Munique! Estou tão feliz se tu estás feliz imagina eu que tenho lá o meu namorado.
- Vai ser bom, sim.
Dizer-lhe sobre o Mario? Demasiado perigoso, prefiro que só saiba quem precisa mesmo de saber.



Cheguei a casa, não a casa da Halle mas mesmo à minha. Fui até ao meu quarto e atirei-me para cama. Sentia-me cansada mesmo sem o dia ter sido muito cansativo. Senti alguém a entrar no quarto, era a minha mãe.
- Thaís…podemos falar? – perguntou sentando-se na minha cama.
- Passa-se alguma coisa? – perguntei preocupada. Não era normal ser a minha mãe a ter aquela fala.
- Apenas queria…falar contigo.
- Diz lá mãe. – movi-me na cama colocando a minha cabeça nas suas pernas e olhei-a.
- É a Cíntia.
- Já falaste com ela?
- Não e eu não sei se consigo, entendes?
- Mãe…se quiseres eu falo com ela para vir cá ter contigo.
- Achas que…?
- Ela está ansiosa por ver-te, acredita que está.
- Isto é estranho não é? – ia mexendo-me no cabelo. Se gosto? Não, na verdade não gosto nada que me mexam no cabelo mas quando é a minha mãe que o faz é…diferente – a Cíntia veio assim de repente. Não é que não esteja contente porque eu estou, a sério que estou…isto faz-me apenas um pouco de confusão.
- A mim também mãe.
- Obrigada por me ouvires. – percebia que se ia levantar mas eu queria falar com ela.
- Espera! – disse agarrando-lhe um dos braços – agora preciso eu de falar contigo.
- Estou aqui filha.
- Eu tenho uma pergunta… - já algum tempo que tinha aquela pergunta na cabeça na realidade – porque é que tu e a Astrid se ‘’empenharam’’, dizendo assim, em que eu e o Mario ficássemos juntos. Porque é que quase me obrigaram a ficar em Munique daquela vez que fomos lá?
- Porque Thaís…mesmo tu continuando a negar eu percebi que o Mario tinha mexido contigo e…dei-me tão bem com a Astrid é uma pessoa cinco estrelas como o Mario imagino.
- O Mario é estranho, mãe.
- Estranho?
- Sim ele…eu não sei, ele confunde-me, ele baralha-me…
- Ele faz-te feliz.
- Sim faz, de uma maneira completamente diferente do que alguma vez o pensei ser mas sim…ele faz-me feliz de verdade.
- A distância agora custa?
- Não…na verdade não. É verdade que ele está longe de mim mas…ainda não estou muito à vontade com esta relação e por isso ainda não me faz diferença.
- Estás feliz, certo?
- Sim.
- Então é isso que importa.
Deu-me um leve beijo na testa saindo depois do meu quarto, o meu telemóvel tocou e apressei-me a atender.
- Pipoca… - a voz do Mario, foi a voz que ouvi quando atendi mas era uma voz diferente sem dúvida.
- Mario…estás bem?
- Sim, claro. Melhor que nunca.
- A tua voz está diferente.
- É a minha voz de apaixonado... - foi impossível não rir com o que o Mario tinhas acabado de dizer.
- Apaixonaste-te por umas chuteiras ou por uma t-shirt?
- Apaixonei-me por ti!
- Isso é muito bonito realmente.
Levantei-me da cama e sentei-me numa cadeira na secretária. Peguei na minha mala dos vernizes e coloquei-a em cima da secretária. Pus o telemóvel em alta voz e perguntei:
- Esta nossa conversa é para durar?
- Se quiseres...
- Assim pinto as unhas enquanto falo contigo. Poupa-se tempo!
- Foi boa a noite?
- Foi, olha que até foi. Senti-me a irmã mais nova deles os dois.
- Não dormiste no meio deles pois não?
- Dormi! – o Mario riu-se quando lhe respondi.
- Coitados Tha…estragaste-lhes a noite!
- Não estraguei nada…eles gostaram de me ter lá.
- Eu não gostava de ter a Halle a dormir connosco.
- Dormias sozinho e dormia eu com ela, fácil!
- Não queria a Halle a dormir connosco porque te queria só para mim.- esclareceu -  Como é que têm corrido aí as coisas?
- Bem, aulas e aulas e aí?
- Treinos e treinos.
- Cor: rosa claro ou coral? – perguntei pegando em dois vernizes.
- Rosa é melhor.
- Davas-me agora aqui um jeitão para me pintares as unhas.
- Por falar nisso…
- Em unhas…?
- Não, Tha…em eu aí…
- O que é que tem? – não estava a perceber nada daquela conversa.
- Tem que nos próximos tempos Dortmund se torna destino impossível para mim.
- Munique para mim também não vai ser fácil, daqui a um mês vou para estágio e isto vai-se tornar complicado.
- Sobrevivemos?
- Claro que sobrevivemos. Sê-me sincero Mario…o que é que mudou desde que eu aceitei namorar contigo? – o Mario ficou em silêncio, percebi que não entendeu a onde quis chegar – não digo isto por mal, a sério, digo porque…é verdade. Nada em nós mudou, continuamos a fazer o mesmo que fazíamos antes de ser namorados.
- Não, não! Isso é mentira.
- É? Tens certeza que é?
- Tenho...e se tenho! O sexo por exemplo não é igual entrendes? - ouvi um barulho e olhei para trás era a minha mãe e a Astrid, as duas tinham acabado de entrar no quarto. Se podia ter avisado o Mario? Podia...mas bonito vai ser vê-lo embaraçado perante a Astrid - e sabes porque é que não é igual? - perguntou, proceguindo depois - tu continuas a ser uma louca e selvagem - não era bem isto que era suposto ele dizer - na verdade o sexo continua igual – eu agora devia mandá-lo calar – mas no fim de toda aquela loucura sei que és completamente minha, entendes? – esta parte tinha sido bonita, até – já tenho é saudades tuas Thaís…com as vontades que eu estou te garanto que era toda a noite…
- Mario! – a Astrid tinha reagido e eu tinha uma enorme vontade de me rir. Dava tudo para ver a cara do Mario agora.
- Mãe…tu estás aí…há quanto tempo, mesmo?
- Há tempo suficiente para…Mario eu não te conhecia assim! – disse a Astrid, olhei para ela e reparei a vontade que também ela tinha de se rir.
- Oh mãe… - a voz do Mario, aquela de menino inocente – sogrinha…?
- Olá Mario – a minha mãe falou rindo baixo.
- Ai meu Deus…
- Isso digo eu! – a Astrid chegou mais perto de mim dando-me um beijo na bochecha já que ainda não me tinha cumprimentado desde que tinha chegado, também eu lhe dei um beijo na bochecha e ela continuou – tu não eras assim!
- Ai não…que não era! Se soubesse o que ele me disse quando me conheceu…
- Thaís! – repreendeu-me o Mario.
- Meu amor…as mães são assim, podemos não lhes contar nada mas no fim…elas acabam sempre por saber.e uma grande prova disso é que a tua mãe agora sabe o tarado que és, pensei. A Astrid sorriu-me cúmplice e…eu sou feliz.


______________________________________________________________

Bom dia :)
Espero as vossas opiniões à cerca do capitulo.
Espero que as vossas férias estejam a correr bem.
Espreitem - Be my forever - capitulo 2 , estou a precisar das vossas opiniões.
Beijos,
Mahina ღ  


6 comentários:

  1. Adorei quero o proximo.bjs

    ResponderEliminar
  2. Olá :)
    Fartei-me de rir com este capitulo :)
    Coitado do Alaba :P
    Que vergonha que o Mário passou no fim do capitulo ahahah
    Próximo sff bjs

    ResponderEliminar
  3. oláá!
    Ameiiiiii!
    Capítulo como partes para rir, partes fofas e mais partes para rir!
    Fartei-me logo de rir no início com a maneira como a Thaís despachou o Alaba! Foi muito bom! E podiam ter continuado!
    Depois momento fofo foi aquele da Thais na cama no meio da Halle e do marco! *_______* E foi também divertido o telefonema para o Mario!
    Agora este fim foi para rir mas também deu pena imaginar a cara do Mario quando percebeu que a mãe o estava a ouvir! Agora já sabe o filho que tem!
    Quero maissss!!! Próximo!!
    Beijinhos,
    Sofia

    ResponderEliminar
  4. Olá!!!
    Oh meu Deus este deve ter sido o cap teu que mais gostei de ler!
    Foi tão divertido! A parte da partilha da cama foi hilariante! Foi tão fofinho ver a Thais a ir pedir colinho aos amigos que não se importaram de abdicar de uma noite só deles para lhe fazer companhia. E porem o Mario à conversa foi a cereja no topo do bolo!
    Ui e esta última parte?? Ahahahah até eu gargalhei! De todo que não queria estar na pele dele! A mãe e a sogra? Dificilmente poderia ser pior! Eu adorei e espero já pelo próximo!

    Beso
    Ana Santos

    P. S. Quanto à fic I Will Wait For You estou com uns caps em atraso. Vi pelos títulos que eles se vão separar e anda me a faltar a coragem para ler! Eu quando escrevo ainda sou mais cruel, mas pronto a ler a coisa fica diferente. Eu não tenho moral nenhuma para andar com faltas de coragem é o que é!
    Quanto à nova fic... Ai ai dois rapazes, uma só rapariga. Já estou a ver que vai ser algo tipo TVD. Uns a puxar para um lado outros a puxar para o outro e no fim habilitamos a ficar insatisfeitas com qual dos dois ela vai ficar! Sei que é uma fic que me vai enervar e é apenas por isso que ainda não peguei nela. Mas irei faze lo!

    ResponderEliminar
  5. Quando voltas a publicar?bjs

    ResponderEliminar
  6. Quando voltas a publicar?bjs

    ResponderEliminar