sábado, 27 de dezembro de 2014

33º Capitulo - «Tu não és ninguém, Thaís »

- Onde está a cabeleireira? – a Evelyn corria de um lado para o outro – maquilhagem! Thaís, já estás maquilhada? – olhou para mim para depois continuar a barafustar – tu não estás maquilhada? Onde está a maquilhadora?
- Evelyn – peguei na mão dela – tem calma, sim?
- Hum, deixa-me pensar – sentou-se nas minhas pernas e passou as suas mãos no meu cabelo – não, não consigo ter calma. Tu não estás maquilhada!
- Nem eu nem a Lena – apontei para ela que também estava sentada à minha frente.
- Ah! Pois não.
- Evelyn, não entres em stress – pediu a Lena – pensa comigo, somos campeões! – falou animada.
- Isso! Isso ainda é outro problema. Eu queria que o Roman estivesse aqui. – falou, ficando depois com uma expressão estranha.
- Não chores! Ai de ti se chorares! – ameacei – a Lena não tem cá o Sami, nem eu tenho cá o Mario e como vez não estamos a chorar.
- Sou muito incompreendida pelas minhas modelos, realmente! – disse a Evelyn, afastando-se depois de nós.
- Aquela mulher é incrível!
- Lá isso é – concordei – e é completamente louca. Conseguiu organizar tudo isto e ainda conseguiu estar no mundial.
- O mundial… - a Lena apoiou a cabeça nas suas mãos e olhou-me – ontem foi um grande dia!
- Se foi!


- Golo! Golo! Foi golo! – a Lena saltava juntamente com as outras raparigas.
Fiquei especada a olhar para o relvado. O Mario tinha acabado de marcar O golo. O golo que lhes dava a vitória. O golo que lhes dava o título de campeões do mundo.
- Oh Thaís! Oh Thaís! Eu sabia que o teu namorado não servia só para nos chatear a cabeça! – atirou a Catherine toda divertida.
- Ele marcou – falei ainda incrédula.
- Pois marcou! – exclamou a Evelyn – o meu sobrinho marcou e vamos ser campeões!


- Terra chama a namorada babada – despertou-me a Lena.
- Uma namorada muito babada mesmo.
- Orgulhosa, Thaís?
- Imenso. Ele ignorou muitas críticas e superou muita coisa para chegar até aqui.
- Vá, admite tu até choraste ontem! – brincou.
- E tu não, queres ver?
- Emocionámo-nos todas, somos definitivamente, namoradas orgulhosas.


Descíamos até ao relvado com alguma dificuldade.
- Esta gente não se arreda! – barafustava a Catherine – eu quero o Mats!
- Oh Cathy, tem calma! – atirei – sinto-me a saltar a cerca – comentei enquanto passávamos por cima das placas de publicidade.
- Só tu para dizeres uma coisa dessas, realmente!
- Oh Lena, é verdade. Olha o meu namorado! – falei assim que vi o Mario À minha frente.
- Tha - abraçou-me. Precisava daquele abraço, de o sentir perto, de o sentir meu.
- Estou muito orgulhosa de ti, Mario. Parabéns! Tu mereces isto, mereces mesmo – deu-me um beijo na testa e coloquei as minhas mãos nas suas costas – tu conseguiste! És campeão do mundo.
- Obrigada por estares aqui.
- Achas que eu algum dia ia falhar este momento que é tão importante na tua vida?
- Eu amo-te tanto, Thaís.
- Eu também te amo Mario, e muito.


- Lena? – chamei. Despertei-me de todos aquelas pensamentos quando vi alguém que já não me era desconhecido – aquela é a ex-namorada do Mario, não é?
- Parece-me que sim.
- E o que é que ela está aqui a fazer?
- Pergunta à Evelyn, ela deve-te saber dizer melhor que ninguém, Tha.
Levantei-me e caminhei em direção à Evelyn que falava com a maquilhadora.
- O que é que aquela está aqui a fazer? – perguntei apontando para ela discretamente.
- É uma das modelos, Thaís.
- É a ex-namorada do Mario.
- Ui…desculpa, querida. – disse atrapalhada – Eu não sabia e ela tem sido bastante simpática.
- Eu não sei se me controlo, Evy. Ela ameaçou a Halle a pensar que era eu, tentou atropelá-la e além disso a ultima discussão que tive com o Mario foi por causa dela e não foi nada famosa.


- O que tens? – perguntei – estás tão pensativo.
- Nada – desvalorizou – estava só a ver umas notícias.
- Que noticias?
- Nada de especial – voltou a desvalorizar. Sentei-me junto dele e peguei no seu portátil para ver as tais notícias – Thaís não…
Olhei para o ecrã. Sem ler o que dizia sobre a ex-namorada do Mario, nunca teria entendido que era ela pelas fotos.
- Há algum problema de eu ler as notícias, nada especiais, que tu estavas a ler sobre a tua ex-namorada? – perguntei com uma ponta de ironia.
- Thaís…
- E porque é que não me disseste que estavas a ler sobre ela?
- Para evitar reações como essas!
- Só estou à espera de uma explicação. Porque é que estás a ler esta notícia e isso te deixou tão estranho?
- Nessa entrevista ela diz que está mais feliz que nunca e até se especula que ela vai casar.
- Faz ela bem! E…eu posso saber porque é que isso te está a incomodar tanto?
- Não está…
- Ai não? Olha que parece!
- Eu nunca pensei é que ela tão rápido fosse arranjar alguém.
- Achavas que eras o grande amor da vida dela?
- Sim, Thaís! Achava, sabes? E também sabes porque demorei tanto tempo a deixá-la? – olhei-o, esperando que continuasse – porque ela jurava-me a pés juntos que me amava e que se eu a deixasse, a vida ia acabar para ela. E depois também me sentia em divida para com ela por ela me ter ajudado nuns problemas que tive.
- Ouve, se quiseres voltar para ela, eu não te vou impedir. – menti.
- Thaís! Mas tu ouves o que dizes? O que é que eu preciso de te dizer mais ou fazer, para acreditares que é a ti que eu amo e a ti que eu quero? Fiquei surpreendido, apenas isso.
- E tu…estás mais feliz que nunca?
- Estou. Ela é apenas passado sim?
- O passado que me quis matar?
Vi um sorriso na sua cara. Coloquei as minhas pernas por cima das suas e esperei que ele falasse.
- Sim, esse mesmo. Já passou. Eu escolhi-te a ti e além disso ela já saiu da nossa vida.
- Porque é que eu não tenho assim tantas certezas?
- Porque és doida. Ela não nos vai chatear mais porque agora até vai casar e tudo.
- Não te convidou?
- Não, achas que me devo sentir ofendido?
- Não vale a pena. Eu também não a penso convidar para o nosso.


- E as certezas do Mario falharam.
- O quê? – perguntou a Evelyn confusa.
- O Mario disse que ela tinha saído das nossas vidas e como vês, ela está aqui.
- Thaís, mete uma coisa nessa cabeça linda. Ela é apenas a ex-namorada do Mario, ignora-a. Ela já não pertence à vossa vida, ela já não faz parte dela.
- Eu sei mas ando insegura. Tenho medo que ela me roube o Mario.
- O Mario é teu, só teu!
- Eu sei – baixei a cabeça.
- Acaba com essas inseguranças e vai-te maquilhar! O desfile está quase a começar. – virei-me para começar o meu pequeno caminho até junto da Lena – Thaís? – detive-me e olhei-a – se ela te atacar…acaba com ela!
Sorri e retomei o meu caminho.
Sentei-me junto da Lena que já estava a ser maquilhada.
- O Sami mandou-me umas fotos de Berlim, aquilo está animado.
- É bom que eles se divirtam, afinal somos campeões do mundo!
- E nós temos muito a ver com este título, porque se não fossemos nós, namoradas, o que era deles?
- Tenho algo melhor – aquela voz, como ela me irritava – se não fosse a Evelyn onde é que tu, Thaís, tinhas talento para desfilar aqui? E se não fosse o Mario o que era de ti? Sem fama, sem seguidores e sem fãs?
- Eu não me quero enervar – comecei – por isso não me enerves, Ann.
- Eu sempre soube que não eras só uma amiga de família como o Mario se referiu a ti naquela noite, no aniversário do Felix. Eu vi como ele ficou incomodado com a tua presença!


Dei os parabéns ao Felix e fui até à cozinha ter com a Astrid, sabia que ela estaria lá. Cumprimentei-a e fiquei junto dela.
- Estás bem? – perguntou-me.
- Dentro dos possíveis.
A Astrid permanecia encostada àquela bancada e eu sentei-me numa cadeira virada para ela e de costas para a porta. Era impossível não me lembrar do Mario enquanto falava com ela, o Mario tinha o olhar da Astrid, eu via nela o olhar dele, aquele olhar meigo e sincero.
- Mãe eu… - aquela voz, que saudades de ouvir aquela voz.
Olhei para trás instintivamente como toda a gente o faz quando ouve alguém a falar.
Deparei-me com ele ali, olhei-o com uma intensidade imensa, ele tinha parado de falar e também ele me olhava. Aquele momento em que os nossos olhares se cruzaram parecia que nada mais importava, o mundo parou ali…para nós. Depressa percebi que ele não estava sozinho. Pela primeira vez vi a Ann à minha frente e vi o Mario com a sua mão entrelaçada com a dela, vê-lo assim de mão dada com alguém que não era eu incomodava-me e incomodava-me ainda mais vê-lo ali à minha frente e não poder fazer nada.
Voltei a olhar para a Astrid tentando conter todas as lágrimas, tentando conter toda a emoção.
- Eu cheguei. – completou, passado bastante tempo.
- Já foste ter com o teu irmão? Ele tinha algo para te dizer… - disse a Astrid e de imediato percebi que o queria afastar dali.


- Quando nós acabámos e eu me apercebi que ele tinha outra…fiquei zangada. Mas fiquei pior quando vi a lástima que ele tinha arranjado, sempre pensei que ele tivesse melhor gosto. Primeiro pensei que era aquela de caracóis mas depois percebi que eras tu. Também entre as duas…qual delas a melhor?
- É melhor parares por aí… - olhei para ela, já estava vestida, maquilhada. Provavelmente era das primeiras a entrar.
- Ann, dois minutos! – a Evelyn falou e depois olhou para nós.
- Tu não és ninguém, Thaís. E o Mario vai perceber isso mais tarde ou mais cedo. Não tinhas o direito de estragar a nossa relação!
- Relação? Era uma relação que vocês tinham? – levantei-me e fiquei frente a frente com ela – vocês eram namorados? Oh não me digas! Tu não amavas o Mario, tu não lhe davas carinho! Tu não o apoiavas, tu não o fazias feliz!
- E tu fazes? Tu não és ninguém, nem nunca vais ser. Se achas que o vosso namoro vai durar…estás muito enganada porque o Mario não quer uma rapariga como tu e vai voltar para mim mais tarde ou mais cedo.
- Ann! – chamou a Evelyn – vais entrar!
Peguei num copo de sumo que estava em cima daquela pequena mesa. Sabia ao que me arriscava a fazer aquilo mas precisava de o fazer. Atirei-o para cima do vestido dela e ouvi a Lena a gargalhar.
- Está pronta Evelyn! – anunciei.
- Tu não tinhas o direito! – falou afastando-se segundos depois.
- Monik! Entra tu por favor. – a Evelyn caminhou em direção a mim.
- Desculpa ter arruinado o teu vestido.
- Não te preocupes querida, eu também não gostava muito dele…e ela merecia.



- Já leste alguma coisa sobre ontem? - Perguntava-me a Lena, mexendo no telemóvel dela. Por sermos as últimas a desfilar íamos falando. As modelos andavam em correria a trocar de vestidos.
- Não e tenho medo!
- Não sei porquê. Não passaste despercebida, és muito bem comentada e até te intitulam como a musa do marcador da noite.
- Que exagero... - não posso negar estava curiosa para ver algumas das notícias.


Mais do que uma simples namorada, Thaís Baden parece ser uma pessoa muito carinhosa. A prova disso foi o seu à vontade com crianças, em especial com Soley e Lamia filhas de Boateng. Thaís mostrou-se sempre disposta a brincar com as meninas, assim como Mario, garantindo que as duas não se perdessem no meio da confusão da festa alemã. O casal demonstrou estar à vontade com crianças e os sorrisos entre os quatro contagiaram os que os rodeavam.





A Soley e a Lamia...duas meninas tão queridas, só queriam brincar mas acabaram por gerar um momento bonito entre mim e o Mario.


A Soley e a Lamia foram com o Boateng, tendo, finalmente o Mario sozinho ao pé de mim.
- Elas são engraçadas.
- Estás emocionado, Mario?
- Não. Mas elas são duas meninas tão queridas. Olha se tivéssemos um filho a correr por aí? - o Mario olhou para mim deixando-me um tanto ou quanto nervosa.
- Era complicado Mario...não estamos juntos há tempo suficiente para ter filhos com idade para correr.
- Consegues sempre brincar quando eu estou a falar a sério! - o Mario estava com os olhos demasiado brilhantes mas acabou por baixar o olhar e reparei que ele olhava para a camisola do Marco que, agora estava no chão.
- Querias que ele aqui estivesse.
- Estás cá tu, pipoca - o Mario olhou-me, beijando-me a testa. Sabia que aquele momento tinha sentimentos muito diferentes para ele.


Havia fotos do momento, fotos bonitas minhas e do Mario. Era tão estranho ver-me assim, nas notícias e a ser falada mas, por outro lado, falavam bem e transmitiam uma visão da nossa relação.


Se existe um top com os casais mais apaixonados do momento, Mario Götze e Thaís Baden ocupam uma posição no top 3. A jovem rapariga tentou passar despercebida ao início da festa alemã no relvado mas depressa as objetivas captaram a sua beleza e o amor que tem pelo marcador da noite. Thais olha Mario como uma criança inocente que vê naquela pessoa um porto seguro, uma adolescente apaixonada que vê em Mario o seu grande amor, como mulher entregue ao amor que os une. Thais olha para Mario com orgulho pelo que fez e alcançou. Como sabemos? Pelo que fomos ouvindo que diziam um ao outro, pelo que se comentava nas bancadas do estádio e pelo que se conhece da relação dos dois.
São um casal que, mesmo apanhados desprevenidos, são fotogénicos, ficam bem nas fotografias juntos e contagiam os que os rodeiam. São brincalhões, rim muito e fazem piadas, mas são românticos e apaixonados um pelo outro.







Pensei que fossem falar da última fotografia...o Mario quase chorou, quer dizer, eu acho que ele chorou mesmo.


- Que se passa, Mario?
- Já olhaste à nossa volta? - confesso que me fazia confusão olhar à volta. O ambiente era de arrepiar e deixava-me emocionada - nós ganhamos, Tha.
- Quem diria não é? E que tu ias marcar um golo tão importante.
- Pensei em ti...quando marquei. E no Marco... - o Mario...estava tão emocionado que pensei que fosse chorar, algo que seria muito estranho. Rodeei o pescoço dele com os meus braços, deixando as mãos na cabeça, beijei-lhe a testa.
- Estamos todos muito orgulhosos de ti.


- Quanto valem os teus pensamentos?
- Um Mario Götze?
- Lamento mas esse deve estar a embebedar-se - impossível não rir ao lado da Lena, mas ela tinha toda a razão, devia mesmo estar a beber litros de cerveja.
 O toque do telemóvel despertou-me, lá no meio da confusão da mesa, lá o encontrei. Era a Halle.
- Já arrasaste a concorrência?
- Entro daqui a nada, Halle.


(Halle)

Pelo tom de voz da Thaís, ela está numa pilha de nervos.
- Não partas uma perna, não convém. E não estejas nervosa
- Podias estar cá a aturar a Thaís.
- Tens aí muito boa gente a aturar-te.
- Incluindo a Ann...
- O que é que essa... - calma Halle - mulher está aí a fazer?
- Desfilar. E não foi nada simpática.
- Thaís és Götze, praticamente. Não deixes que essa coisa te atrapalhe a vida.
- Sabes que ando insegura...
- Não estejas. Vocês dois são dos casais mais apaixonados, segundo a imprensa. O que é totalmente mentira já que nós aqui é que somos - olhei para ver se via o Marco mas não tinha sinais dele por enquanto.
- Muito apaixonados, vocês.
- Somos pois. Olha e precisamos de ti e do Mario aqui na Grécia linda.
- Precisam? Diz ao teu namorado que eu não curto dessas coisas a quatro!
- E estás nervosa, olha se não estivesses! Fica descansada que nós preferimos coisas a dois.
- Thaís, tens de te despachar - era a voz da Evelyn a chamar a Thaís.
- Vai lá minha top model, arrasa com elas todas! Boa sorte, Thaís.
- Obrigada. E sim, contem connosco aí na Grécia linda. Beijo.
- Beijo - desliguei a chamada, deixando o telemóvel em cima da mesa.
- Halle? - a voz do Marco vinda não sei bem de onde surgiu naquele espaço e, pouco depois, apareceu ele com um sorriso enorme nos lábios. Um sorriso como ele já não tinha há muito tempo. Bloqueei a olhar para ele relembrando o dia em que tinha voltado a ver aquele sorriso depois de tanto tempo.


- Marco…? – coloquei a minha mão sobre o seu ombro e esperei algum tipo de reação que não apareceu - Marco? – voltei a chamar pelo seu nome, esperando que agora me olhasse.
- Agora não Halle – foram as palavras que ouvi da sua boca. Já andava a ouvir a mesma frase há uma semana.
- Então quando, Marco? Andamos nisto há uma semana! Tu mal me falas, as únicas palavras que trocamos são as indispensáveis. Não me beijas como deve ser há dias e continuas-me a dizer: «agora não, Halle»?
- Compreende que…
- Não! Basta, eu já tentei compreender das mais variáveis formas possíveis mas não dá! – olhou-me finalmente o que me deu ainda mais à-vontade para lhe dizer o que ele precisava de ouvir – eu sei que estás lesionado, eu sei! Eu sei que perdeste o tão esperado mundial, eu também sei…mas caramba! Tens aqui a tua namorada e mal lhe falas? – calei-me durante uns segundos e encostei-me ao sofá, começava a sentir-me fraca – no princípio não quis insistir muito contigo porque a lesão ainda era muito recente mas agora não dá par aguentar. Eu prometi-te que ia estar aqui nos bons e maus momentos, e aqui estou eu. Que mais posso eu fazer? Diz-me o que é que eu posso fazer para ter finalmente o meu namorado de volta?
- Nada… - respondeu cabisbaixo.
- Ouve, podes-me continuar a ignorar para o resto da tua vida, até podes nunca mais me beijar ou dizer que me amas mas eu…eu não me vou embora. Vou continuar aqui e esperar que voltes a olhar para mim como sempre me olhaste, vou esperar que me voltes a beijar todas as manhãs como sempre fizeste…porque eu sei que isso é só uma fase. Uma fase má, é certo, mas é apenas uma fase.
- Halle – rodou o seu tronco e colocou as suas duas mãos na minha cintura e colocou-me à sua frente – tu não mereces a forma como te tenho tratado, não mereces mesmo. Mas eu sinto-me, como hei eu de dizer? Perdido? Sim, talvez seja essa a palavra. Eu sinto-me perdido porque de um momento para o outro perdi aquilo que me dava uma parte da minha felicidade. A outra parte, que és tu, sei que continua aqui mas é-me complicado lidar com isto porque sinto que perdi tudo quando não foi bem assim.
- Eu quando comecei a namorar contigo sabia que não ia ser fácil. Além de namorar com o Marco, o meu Marco, tinha que namorar com o Marco Reus que joga futebol e tem vida social, ao contrário do que a Thaís afirma. – ele sorriu, pela primeira vez desde que se tinha lesionado eu tinha visto um sorriso – também sabia que poderiam vir lesões mas não estava preparada para algo tão grande. A lesão que te faz perder o mundial. É mau para ti mas também é mau para mim. Se tu estás infeliz…eu também estou, acredita.
- Eu sei. – colocou uma das suas mãos nas minhas costas e encostou a sua testa à minha barriga – desculpa, sim?
- Eu desculpo. Mas por favor Marco, nunca mais me voltes a fazer isto.
- Obrigado Halle, obrigado mesmo.
- Marco…és tão parvo. Estás-me agradecer de quê? Eu vou estar sempre aqui, podes-me mandar embora mas eu não vou. Irei permanecer aqui ao teu lado para sempre, juro. E não é daquelas promessas baratas. É uma promessa séria porque nestes dias em que mal me falaste eu percebi a enorme falta que me fazes, Marco.
- E tu também me fizeste falta, bastante falta. – agarrou a minha mão e puxou-me para o seu colo. Sentei-me nas suas pernas e olhei-o – desculpa, a sério. – colocou uma mão no meu pescoço e juntou os nossos lábios num beijo calmo e apaixonado – realmente já tinha saudades – brincou – Halle, temos que ter uma conversa séria.
- Temos?
- Amanhã temos uma viagem.
- Espera…eu não percebi bem.
- Temos uma viagem!
- Marco, tu diz-me como é que me ias dizer isso se não tivéssemos tido esta conversa? Ias dizer: ah, faz as malas que amanhã vamos fazer uma vigem a não sei onde.
- Eu suspeitei que iriamos ter esta conversa.
- E posso saber para onde é que vamos?
- Hum, não. É surpresa - olhei-o séria, ele sabia bem que eu não gostava de surpresas – prometo que vais adorar.


Grécia, tinha sido o nosso destino. O melhor destino de sempre.
- Estive a falar com a Thaís. – informei-o, beijando-o depois.
- Contaste-lhe?
- Hum não. Conto-lhe mandar um PS daqui a pouco.
- Como é que achas que ela vai reagir?
- Bem. Ela só pode reagir bem, Marco.
- És a mulher da minha vida, sem dúvida alguma.
- E tu homem da minha.


(Thaís)

- Vistam-se meninas! – ordenou a Evelyn.
- É isso que estamos a tentar fazer – informou a Lena – falta-me cá o Sami, esse costuma-me vestir.
- Oh Lena! Eu escuso de saber isso.
- Até parece que…
- Shh! – interrompi-a – Evelyn! Ajuda-me!
Acabou por me ajeitar o vestido e olhar para mim com um sorriso na cara.
- Estás linda!
Olhei para o vestido e sorri também, imaginava-me nele sem ser a desfilar.



- Posso-me casar nele? – perguntei na brincadeira.
- Podes – respondeu a Evelyn.
- Eu também me quero casar neste! – a Lena deu uma volta fazendo o seu vestido voar um pouco. Tinha um vestido lindo, que lhe assentava perfeitamente.



- Não te esqueças de me convidar! – brinquei.
- Descansa que serás convidada.
- Vá meninas, vão entrar as duas. Deem espetáculo como eu sei que vocês sabem dar! São magníficas!
O toque de mensagem do meu telemóvel despertou-se. Corri em direção à mesa e olhei-o, abrindo a mensagem depois.

Boa sorte! És única! Amo-te tanto!

Voltei ao meu lugar e fechei os olhos, relembrando-me por momentos o dia em que tinha ficado a saber que a Lena ia desfilar comigo e que a relação da Evelyn com o Roman era mesmo sincera e bonita.


- Mudei de ideias! – anunciou a Evelyn chegando perto de mim – vais ser a minha convidada especial no desfile.
- Porquê?
- Porque agora és namorada do Mario Götze! És conhecida.
- E…?
- Pronto não te queres ligar ao teu namorado, já percebi.
- É estranho, sim? Agora sou o centro das atenções só por causa do meu namorado.
- Posso-te pôr a desfilar como minha sobrinha? Assim és à mesma a minha convidada especial mas ainda mais especial.
- Tudo bem.
- Que animo, Thaís!
- Não vejo o meu namorado há duas semanas, não achas que tenho razões suficientes para estar assim?
- Hum, sabes? Também não vejo o Roman há muito tempo. Quando fores para a Alemanha devo ir contigo – olhei-a, parecia estar perdida nos seus pensamentos – bem vamos lá às provas. Escolhi o vestido mais lindo de todos para ti.
- Já há data para o desfile?
- Sim. No dia a seguir à final do Mundial. 14 de Julho.
- Segunda-feira, Evelyn?
- Sim! Segunda-feira! Claro que é segunda-feira. – aproximou-se de um caderno e retirou de lá um papel – Lena Gercke, diz-te alguma coisa?
- A namorada do Sami, digo eu.
- O Roman também me disse que sim mas ele não costuma ser fonte segura.
- Não? – pela primeira vez consegui interessar-me por uma conversa que tinha a ver com o namorado da Evelyn.
- Não! Ele no outro dia disse que não ia ser convocado para o mundial e eu fiquei toda preocupada com ele, não é? E depois começou-se a rir na minha cara! E também lhe mostrei os meus vestidos e ele disse que eram feios.
- E voltou a rir-se na tua cara?
- Sim!
- Que amoroso. Isso é amoroso mesmo.
- Meu Deus! Foi a primeira vez que me ouviste falar de mim  e do Roman e não me mandaste calar.
- O importante é seres feliz, Evelyn.
- Que querida. Vá, vamos às provas!


- Entram em 3, 2, 1 – anunciou a Evelyn.
Comecei a caminhar pela passarela juntamente com a Lena. Lembrava-me das palavras da Evelyn: caminha confiante, o mundo é teu Thaís. Tu és o centro de tudo.
Não me preocupei se a falta de experiencia se fazia notar. Tinha treinado o desfile várias vezes com a Lena e ela até me tinha dito que eu tinha jeito. Desfilava sobretudo pela Evelyn, desfilava porque ela me tinha pedido, porque eu adorava aquela mulher e desfilar para ela era sem dúvida um privilégio.
Demos a típica volta no fim da passarela para depois retomarmos o nosso caminho até ao início. Ficamos paradas para depois a Evelyn aparecer e ficar no meio de nós. Caminhámos novamente até ao fim da passarela juntamente com a Evelyn. Disse algumas palavras referindo-se a mim e à Lena como as suas convidadas especiais.
Foi uma experiência incrível e quando descemos da passarela pude ouvir o grito de alívio da Evelyn.
- Eu só quero o Roman!
- O Roman está bêbedo! Tal como o Sami, o Mario e os outros todos, Evelyn! Liga-lhe e vais ver o que ele te diz! – atirou a Lena sempre na brincadeira – vai dizer: Evelyn, quero tanto fazer-te um filho.
- Se dissesse…já não era a primeira vez!
- Escusava de saber isso – informei.
- Meninas, vocês arrasaram! – finalizou a Evelyn animada – obrigada.
 Peguei no meu telemóvel e tinha uma mensagem, era da Halle.

Quero-te aqui amanhã! O Mario vem depois, não interessa!
Adoro-te!

PS: O Marco pediu-me em casamento e eu aceitei.
PS2: Estou grávida!
PS3: Caso na sexta.
PS4: Já toda a gente sabe do casamento menos vocês os dois, SURPRESA!

Fiquei perplexa a olhar para o telemóvel. Eram demasiadas notícias, demasiada informação para eu conseguir digerir.
- Tu sabias que o Marco e a Halle vão casar? – perguntei à Lena.
- Claro! Mas eles pediram para guardar segredo de ti e do Mario.

- Eu já tenho o meu vestido! – disse a Evelyn animada – Grécia…foram escolher sem dúvida um lugar perfeito para casar.



____________________________________________________________

Boa tarde!
E aqui está ele! No fim de algum trabalho em conjunto com a Ana Patrícia, fiquei satisfeita com o trabalho. Levou-nos mais que quatro horas seguidas! Não posso deixar de lhe agradecer por tudo, principalmente pela paciência.
Espero que gostem mesmo deste capítulo, tanto como eu o gostei de escrever.
Aguardo as vossas opiniões a estas novidades todas, a este reencontro nada saudável da Ann com a Thaís.
E bem, bom fim de semana!
Beijinhos,
Mahina ღ